10.6.14

Suave - Capitulo 11

 
~

– O QUE você está fazendo?

Joe voltou a cabeça, assustado, e viu uma mulher parada atrás dele. Os cabelos da nuca se arrepiaram. O que diabos…?

Era Demi, com os cabelos embaraçados, o vestido todo amassado e os olhos faiscando.

Ele sentiu um espasmo no estômago. Estava tão surpreso ao vê-la ali, que mal conseguia falar.

– Eu… Hã… Eu…

– Onde estamos? Aonde estamos indo? Por que não estamos na marina? Por que você me sequestrou? – Ela disparou as perguntas em um tom de acusação.

Ele ficou de queixo caído, atônito.

– Eu sequestrei você? Por que se escondeu no meu barco?

– Não me escondi. A intenção não era me esconder. Eu não sou uma clandestina.

– Mas, assim mesmo, você está aqui. – Ele prendeu o leme e se voltou para encará-la frente a frente.

– Você partiu sem a minha permissão.

– Claro, e você passou a noite a bordo, sem a minha permissão. – Ele olhou-a de cima a baixo.

Como não percebera que ela estava a bordo? – E sem o meu conhecimento.

– Dê meia-volta no barco e me leve de volta para a praia – Ela exigiu.

– O quê?

Ela ergueu o queixo, indignada.

– Você me ouviu.

Joe riu.

– Pare de rir de mim – protestou ela. – Isso não é nem um pouco engraçado.

– É um pouco.

– Não do meu ponto de vista.

– Realmente, Lovato,  você não costuma ver o lado engraçado de uma situação…

Ela pareceu magoada, mas rapidamente se recuperou.

– Eu fui um tanto grosseira. Desculpe. Foi apenas o susto de acordar e ver que eu estava no meio do oceano.

– Desculpa aceita.

– Agora, por favor, me leve de volta à terra.

Joe abanou a cabeça.

– Desculpe, mas não posso.

– Por que não? – perguntou ela, aproximando-se.

– Principalmente, porque estamos navegando desde o amanhecer.

– Que horas são agora?

– Três e quinze.

– Três e quinze! Isso quer dizer que partimos há…

– Há oito horas e meia.

A garganta de Demi se moveu de cima para baixo quando ela engoliu em seco.

– Você precisa me levar de volta.

– Eu gosto tanto quanto você dessa situação, mas não posso. – Ele já se perguntava o que Taylor acharia quando ele aparecesse no casamento com outra mulher. Ele não podia aparecer no casamento com Demi. Assim que passassem pela alfândega e pela imigração, ele a colocaria em um avião e a mandaria de volta para St. Michael. Taylor jamais saberia.

– O que quer dizer com não pode?

– Preciso chegar a Key West no sábado. É possível, mas só se os ventos e as correntes cooperarem. Se eu for levá-la de volta, será impossível. Apesar da previsão do tempo ter informado que, felizmente, a navegação será fácil, precisamos bordejar a tempestuosa Corrente do Golfo.

– Bordejar?

– Para compensar as dificuldades da corrente, é preciso navegar ao largo do curso para mantê-lo.

– Entendi: andando de lado como um caranguejo. – Exatamente.

Ela o surpreendeu ao puxar os óculos escuros do bolso da camisa dele, roçando – acidentalmente – os mamilos. O corpo de Joe reagiu de imediato.

Droga!

Ela colocou os óculos devagar, e ele sentiu algo perigoso e sexy se espalhar pelo corpo.

– Vá em frente. Fique à vontade. O que é meu, é seu – disse ele.

– Você se importa? Eu estou com dor de cabeça e, já que você não me raptou…

– Não raptei. Eu não sabia que você estava a bordo.

– Ainda assim. Eu estou no mar contra a minha vontade, sem os meus óculos escuros.

– Muito vinho na noite passada?

– Muito salty dog misturado com algum tipo de droga.

– O quê? – Ele ficou alarmado.

– Por que outro motivo você acha que eu teria desmaiado no seu quarto, durante 16 horas? Só o álcool não teria me derrubado por tanto tempo.

– Cabine.

– O quê?

– Um quarto num barco é chamado de cabine.

Ela fez um gesto de desdém.

– Seja o que for. De qualquer maneira, eu tenho a forte suspeita de que aquele nojento terapeuta respiratório, Wilmer Valderrama, misturou alguma coisa no meu salty dog.

Uma parte dele queria dizer que isso não teria acontecido se ela não tivesse fugido com Valderrama; mas a outra parte, mais forte, imaginava-se agarrando Valderrama pela garganta e sacudindo-o até que os olhos pulassem das órbitas ou que o bigode caísse, o que acontecesse primeiro.

– Aquele canalha a drogou?

Massageando a testa, Demi lhe contou tudo o que tinha acontecido na noite anterior.

– Eu realmente sinto muito – desculpou-se Joe –, que isso tenha acontecido na minha festa.

– A culpa não foi sua. Wilmer é um depravado. Eu já suspeitava, mas agora tive a confirmação. Pensei em fazer uma queixa à polícia de St. Michael, mas, quando eu chegasse lá, a droga já teria sido eliminada do meu organismo, e eu não teria como provar o que ele fez. Tudo o que posso fazer é avisar às moças que trabalham no hospital para terem cuidado com ele.

– Se estivéssemos voltando, eu a ajudaria a fazer isso.

Demi sorriu.

– Então, eu estou sendo sequestrada.

– Sequestrada, não. Levada para longe por alguns dias. Pense nisso como umas férias. Quando chegarmos à Flórida, eu a coloco num avião de volta a St. Michael.

– Enquanto isso, eu fico presa com você.

– É tão horrível assim?

– Poderia ser pior. Eu poderia estar presa com Wilmer, o Desprezível.

– Só sobre o meu cadáver – Ele disse com veemência.

– Diga: por que vai cruzar a Corrente do Golfo?

– Preciso impedir um casamento.

Pela primeira vez, desde que subira à ponte, ela aparentava algo além de desânimo, aborrecimento e raiva. A curiosidade iluminara os olhos dela.

– O casamento de quem?

– A minha ex-namorada vai se casar com um sujeito que só conhece há um mês.

– Você acha que ela não deveria se casar com ele?

– Ela deveria se casar comigo – declarou ele.

– Com você? – Demi riu, como se fosse a coisa mais engraçada que ela já ouvira. Aborrecido, Joe franziu a testa.

– Por que você acha tão engraçado?

– Ei, há cinco minutos você estava me acusando de não ter senso de humor. Eu nunca imaginei que você fosse do tipo que se casa.

Para dizer a verdade, Joe também não, mas desde que Taylor o fizera iniciar aquela jornada pessoal, ele, de fato, começara a mudar. Ir para St. Michael fora a coisa mais importante que ele já fizera.

– Então, qual é a história? – Demi sentou na rede e tirou os sapatos dos lindos pés.

Pensar que aquele lindo traseiro sentara no lugar onde ele acabara de dormir provocava estranhas sensações no corpo de Joe. Parecia-lhe extremamente íntimo. Tão íntimo quanto o fato de pensar que ela dormira na cama dele sem ele saber – maldição!

Francamente. O que havia de errado com ele? Estava falando em casar com Taylor, e os deliciosos dedos cor-de-rosa de Demi se curvando no chão o deixavam excitado. Talvez ele não tivesse mudado tanto como pensara.

Demi balançou a rede levemente e começou a ir para frente e para trás, em um movimento hipnótico.

Taylor, Taylor, Taylor, ele repetia mentalmente, lembrando-se do seu objetivo. Ele iria para Key West impedir que Taylor se casasse com o tal Harry, da Guarda Costeira.

Joe tentou lembrar-se do rosto da ex-namorada, mas, para surpresa dele, não conseguia se lembrar do rosto de Taylor. Quando ele tentava se lembrar dela, só via o rosto de Demi. Alarmado, tentou se lembrar da lista de antigas namoradas: Kellie, Ashley, Heather, Robin, Brenna, Jane, Erin, Sophia, Lucy, Emily, Rachel e Taylor.

Nada.

Não se recordava de nenhuma, porque a mulher diante dele absorvia toda sua atenção.

Pau que nasce torto nunca se endireita, Taylor dissera a ele.

Joe estava determinado a provar que isso não era verdade. Que podia sossegar. Mais que do isso: que queria sossegar. Mas enfrentava algo que não esperava.

Demi apontou para o banco do convés com o dedão do pé. – Sente-se e me fale sobre ela.

– Quem?

– A mulher por quem você vai contornar a Corrente do Golfo.

– Você não quer me ouvir falar sobre ela.

– Por que não?

– Por quê?

– Porque – disse Demi –, eu nunca o vi ser tão real. Pela primeira vez, em vez de ser o cara idolatrado pelas mulheres, você está numa posição desfavorável.

– Você está adorando a minha agonia, não está?

Ela inclinou a cabeça, sorriu e piscou.

– Nem um pouco. Só estou gostando de ter uma visão do ser humano que se esconde atrás de uma bela fachada.

~

Oi amores, desculpe eu não ter postado "A Sexóloga" ainda, eu mal estou tendo tempo para respirar, por isso que eu ainda não postei, não estou tendo tempo para escrever, mas eu estou com ótimas ideias. e vou contar/já estou contando, com a ajuda da mais nova Autora daqui do blog, a Mand!! logo depois ela se apresenta para vocês, ok???

Beijoos e continuem me mandando sugestões para os capítulos de "A Sexóloga" ;)

Amo vocês!!

ps. depois que eu consegui um tempo... provavelmente na quinta, eu respondo os comentários :)

3 comentários:

  1. Perfeito ♥♥♥♥♥♥
    Sua linda simplesmente ameiii kkk quero só ver o que esses dois vão aprontar kkkk ...
    poosta looogoooo diva
    beijoss

    ResponderExcluir
  2. Amei gente ... Achei que a Demi ia dar uma pirada tipo geral mesmo. Joe já tá todo assanhadinho kkkkk
    Postaaa maaaiis
    Fabíola Barboza

    ResponderExcluir

Deixem um comentário e deixem uma "escritora" feliz :D