29.4.17

Capitulo 5

Olá!! demorei pq eu tava fazendo algumas alterações para orientação do TCC, mas vou programar já todos pra todo dia ás 09:00 postar. Obrigada e espero que gostem da fic e comentem!! Beijão!!

---------------------------------------------------------------------

CAPITULO 5

Joseph

Até o momento o happy hour começa oficialmente, Demi e Brent estão além de feliz. No entanto, Jake é o condutor designado. Desfruta de um único copo de whisky de malte tanto quanto qualquer um, mas eu nunca o vi beber para ficar bêbado. Ao contrário de todos os outros ao seu redor neste momento. Às seis horas da tarde de uma sexta-feira à noite em Washington, DC, as ruas são uma cidade fantasma, porque qualquer um que ainda está aqui está dentro dos bares.

Os políticos não vivem na cidade. Se o Congresso não está na sessão, eles retornam a seus distritos natais. Aqueles que são casados e com filhos voltam para os subúrbios. Isso deixa o resto de nós; famintos, trabalhadores e atrevidos. E não há nenhuma maneira melhor de desabafar, depois de uma longa e tortuosa semana no escritório que tomar uma boa bebida em uma taverna barulhenta. Demi chama de "Efeito Greys 's Anatomy ".

— Bolhas de ar intravenosas. — Brent sugere com voz diabólica, apoiando os cotovelos sobre a mesa de madeira cheia de copos vazios. — Difícil de rastrear, impossível de provar além de qualquer dúvida razoável, a menos que você tenha câmeras de vídeo no quarto de hospital do paciente, rápido e eficiente...

— E totalmente pouco confiáveis. — Brinca Demi, batendo seu nariz. — A quantidade de ar para provocar um acidente vascular cerebral varia, além de que a vítima já teria que estar no hospital. Então, haveria um registro de visitantes...

O assassinato perfeito. É um debate frequente. Conhecendo os meandros do sistema de justiça criminal, estou realmente surpreso de que mais pessoas no campo jurídico não cometem crimes graves. Ou, como são fodidos, talvez eles façam?

— Continuo a dizer que o veneno é a aposta mais segura. — Fala Jake da ponta da mesa. — Algo como ricina ou polônio.

Sua sugestão é recebida com piadas e provocações.

— Novato.

— A análise forense post mortem forense é muito avançada argumenta. — Brent.

— Onde diabos iria encontrar polônio? — Demi acrescenta. — Conhece muitos espiões russos, certo?

— Lembre-me de nunca te tomar como cliente. — Eu digo, apontando meu bourbon. — Arruinaria minha série de vitórias.

A pista de dança na sala ao lado está completamente cheia de corpos, dolorosamente em falta de ritmo. Não são muitas coisas tão divertidas quanto assistir a pessoas que não podem dançar, mas pensam que podem.

Braços eufóricos são levantados quando a música Oh What a Night toca nos alto-falantes. Demi se levanta animada. — Essa é a minha deixa. Vem, Brent, vamos sacudir o que sua mãe lhe deu.

Ele se levanta. — Não posso, querida, meu encontro acabou de entrar.

— Você tem um encontro hoje à noite? — Pergunta Demi.

— Agora eu tenho. — Dá uma piscadela. — Ela só não sabe ainda.

Enquanto Brent se distancia, Demi olha para Jake. Ela parece como Harry³ perguntando um punk, se se sente com sorte, quando ele diz: — Você precisa mesmo perguntar?

3 Personagem de um filme americano de mesmo nome dos anos setenta, interpretado por Clint Eastwood.

Me guarda para o final, porque sabe muito bem que eu não danço.

Ainda assim, ela tenta, passando a mão pelo meu braço. — Você me mostra seus movimentos, Joe?

Mastigo o palito entre meus lábios. — Querida, eu vou lhe mostrar cada movimento que eu tenho, apenas não em uma pista de dança do caralho.

Ela ri, em seguida, vai saltando de um lado para outro balançando e agitando o corpo. E eu assisto com o olhar de um homem que sabe que vai provar um pouco, e que vai ser bom.

Seus quadris arredondados giram no momento perfeito com ritmo rápido, seguro e praticado. Imagino os quadris montados em mim com o mesmo ritmo rápido. E imediatamente eu fico duro.

Palpitante de memória e antecipação.

É a maneira que se move antes que aconteça, firme e rápida, alimentando o sentimento, perseguindo o atrito maravilhoso.

Chupo fortemente meu lábio quando ela levanta os braços, fazendo círculos com a sua pélvis. Demi gosta de seus braços acima de sua cabeça — presos acima pelas minhas mãos contra uma cama, parede, mesa de carvalho duro. — Ter relações sexuais com ela é grande em qualquer dia, mas fodê-la quando está ligeiramente bêbada é particularmente demais. É mais selvagem, mais áspero; puxa meu cabelo um pouco mais forte.

Pede um pouco mais doce.

O Bourbon que tomei relaxa meus músculos e minha mente. Eu não estou intoxicado, mas relaxado o suficiente para esquecer as preocupações. Eu me importo nenhuma merda com nada. Jogo meu laço com o seu show e as preliminares continuam, sem pressa, permitindo que essa antecipação seja construída.

Mas então ela se vira.

Seu cabelo escuro é puxado para o lado e eu estou preso naqueles olhos cor de avelã malditos, grandes e amendoados que estão praticamente brilhando com fome.

Não está só dançando de frente para mim, ela está dançando para mim.

Suas mãos lentamente deslizam para baixo ao lado, segurando seus quadris, apertando. Mas são minhas as mãos que está imaginando, meu aperto que ela sente. Os lábios cheios de Demi estão abertos, respirando pesadamente, o brilho de umidade ao longo do lábio superior.

E eu quero lambê-lo.

Mas isso seria apenas o começo — devorar essa boca — antes de lamber para baixo e ao redor, para provar tudo. Até que cada centímetro de sua pele esteja marcado com a sensação de minha língua, dos meus lábios.

Meus dentes.

Mordendo os lábios me coloco de pé. E caminho em sua direção. Antes de chegar, Demi vira as costas ainda balançando.

Provocando.

Por cima do ombro, ela mantém o olhar fixo no meu. Eu não paro até que eu me encontre preso a ela, minha mão em seu estômago, empurrando-a de volta. Assim não pode ter nenhuma dúvida sobre como isso me afetou. Cada efeito centímetro quente e duro é pressionado contra suas costas.

— Mudou de ideia? — Pergunta ironicamente. — Você quer dançar, afinal?

— Eu quero fodê-la. — Sussurro em seu ouvido, fazendo-a tremer. — No caso de que você não soubesse. Agora.

Se arqueia para trás, espremendo meu pau entre nós, deslizando-se para cima e para baixo.
— Então acho que vamos.

Na corrida de táxi até o meu apartamento, eu faço um ponto de não tocá-la; nada de toques casuais ou esfregar a mão na coxa para ajudá-la a sair do táxi. Porque eu sei que a espera vai animar ainda mais.
E porque uma vez que eu começar, não pretendo parar.

Depois de uma viagem de elevador tensa e tortuosa, estamos em pé no corredor do lado de fora do meu apartamento. Enquanto coloco a chave na fechadura, o corpo de Demi está próximo, sem pressionar, mas perto o suficiente para que eu possa sentir seu perfume. Um aroma floral limpa e doce; gardênia, talvez.

Passamos pela porta e em seguida, eu me viro, usando-a para fechar, batendo-a contra suas costas. Fica presa entre a porta e eu. Levanto suas mãos segurando seus pulsos acima da cabeça, esticando-a, fazendo seu arco. Forçando o contato.

Suspira à medida que passo o nariz pela sua bochecha, sua respiração escapando em pequenas baforadas. — Você quer ser fodida? — Eu digo rispidamente.

Geme. E se contorce. — Sim.

Demi gosta rude — palavras ásperas, toques firmes — e sou muito feliz em agradar.

Passo minha mão pela sua coxa, enrolando sua saia à medida que sobe. — Você quer gozar?

Uma vez ela me disse que uma de suas partes favoritas de transar comigo é que eu poderia deixar ir tudo. Sem preocupações, sem estresse, sem decisões a tomar. É a única área em sua vida onde ela está feliz em deixar alguém — eu — faça todo o trabalho.

Levanta o queixo, esfregando a pele macia contra a minha barba por fazer. — Por Favor. — Roga.

— Quanto? — Provoco, esfregando sua calcinha de seda, onde é suave e quente. Seus quadris se voltam contra a minha mão enquanto eu puxo o pano e deslizo os dedos por entre os lábios macios e escorregadios. Meu sorriso aparece. — Parece que quer muito.

— Joseph... — Geme impaciente.

E então minha boca está na dela, levando suas palavras, sugando os lábios que eu observei toda a porra do dia. Ela é tão doce; grenadine com uma pitada de tequila, fazendo minha cabeça tonta. Eu tenho a sua língua, molhado e quente. Movo meus lábios nos dela, progredindo de forma constante, permitindo que apenas respire, e capturo o lábio inferior com os dentes.

Seus braços empurram contra meu aperto, querendo se soltar, se aproximar, mas eu mantenho-me firme. Pressiono o comprimento do meu corpo contra o dela, sentindo-se cada curva suave e cheia de encontro a meus ângulos duros. Geme, grata pelo contato enquanto faço estragos na sua boca. Então eu deslizo meus lábios sobre sua mandíbula, deixando uma trilha molhada, seu pescoço, deleitando-se em sua pele doce como um homem faminto. Suspira e levanta o queixo ainda mais, dando-me um melhor acesso para baixo, para os primeiros botões de sua blusa.

Coisas de uma noite, sexo sem sentimentos, estranhos fodendo, já fiz isso muitas vezes antes. Às vezes é bom, às vezes é apenas mecânico — satisfazer uma necessidade física básica. Mas, aqui com Demi, nunca foi nada mecânica. São chamas abrasadoras, lambendo nossos membros, atraindo-nos a partir de um espaço interior profundo, fazendo colidir como imãs, quando separados por uma distância muito grande, por muito tempo.

Minha boca suga seus seios por cima da blusa, deixando uma marca escura sobre a umidade de seda. Não há nenhum pensamento, apenas sentimentos e sensações. Libero seus pulsos, agarro o delicado tecido com as duas mãos e dou-lhe um puxão, arrancando, expondo a magnífica pele que me fascina.
Irei substituir a blusa, eu não tenho tempo para malditos botões.

Abaixo a copa de seu sutiã de renda preta e suas mãos se afundam no meu cabelo, massageando meu crânio enquanto eu devoro seu peito. Tão quente, tão suave. Coloco longos beijos de boca aberta ao longo do monte, sugando a pele até que Demi grita — deixando minha marca — castigando por distrair-me. Depois, passo a língua ao redor do círculo escura do mamilo, sacudindo e lambendo. 

Quando eu envolvo minha boca, ela sacode, em seguida, ela suspira de alívio, enquanto chupo.
Sua cabeça roda. — Oh, sim... Oh, Deus, sim...

À medida que eu passo para o outro seio impressionante e para dar a mesma atenção, mais uma vez eu deslizo meus dedos em sua calcinha, querendo que goze, que grite bem assim. Suas coxas se espalham, abrindo espaço para a minha mão quando os meus dedos fazem círculos em sua entrada.

Seus quadris giram em círculos inversos aos meus, suas unhas correndo ao longo de minhas costas. Com os dentes eu pego um mamilo excitado e sensível, e mergulho dois dedos em sua umidade apertada.

— Merda ... — Geme.

Enfio meus dedos dentro e fora, bombeando, movendo meu polegar para esfregar seu clitóris. Sua voz sobe, tornando-se desesperada, porque o orgasmo é tão foda perto. Então eu levanto minha cabeça e tenho prazer em olhar seu rosto. Olhos fechados, cílios escuros contra a pele bronzeada, lábios abertos e ofegante dizendo meu nome. Se eu tivesse talento para a pintura, esta seria a obra-prima que iria capturar. Este momento puro e inesperado, quando ela está completamente nua na minha frente, confiando que lhe dê o forte e latejante prazer, mas deixando-a intacta.

Eu tenho que beijá-la.

Lentamente agora, eu passo meus lábios nos seus, enquanto meus dedos bombeiam mais rapidamente, esfregando o polegar mais duro.

E então ela explode. Saboreio o seu belo gemido quando seus braços caem e seus músculos se apertam, e sua buceta dá aos meus dedos contrações pulsantes fantásticos.

Quando seus membros relaxam suas mãos seguram meu queixo e me beija lenta, doce e, agradecida, e eu puxo meus dedos dela. Dou um passo para trás e me olha com olhos ardentes enquanto eu provo sua umidade cobrindo meus dedos. Melhor do que grenadine, tequila ou um maldito Bourbon. Os sucos de Demi são o elixir dos deuses, e eu vou sugar essa deliciosa buceta antes que a noite acabe.
Mas, primeiro, é tempo para ela se divertir.

Com um sorriso agudo e uma faísca quase perversa em seus olhos, pega minha gravata e me puxa para um beijo. A deixo que me gire e então estou prensado contra a porta. Enquanto nossas bocas dançam, eu coloquei minhas mãos em seu cabelo — puxando e agarrando — do jeito que eu sei que ela gosta. Então eu a empurro para baixo.

De joelhos.

Ela olha para mim, com aqueles malditos olhos ardentes e famintos, quando suas mãos deslizam por minhas calças, minhas coxas, desabotoando o cinto com um som metálico. Observo minha mão passando pelo seu cabelo, enquanto abaixa as calças junto com a minha cueca até os meus tornozelos. Afasta os olhos e perde o contato visual quando esfrega minhas pernas, com músculos tonificados e sólidos.

— Essas pernas — admira em voz alta. — foram feitas para se estar ajoelhada diante delas.

Eu rio misteriosamente. — Obrigado pelo elogio, querida. Mas chega de conversa, eu tenho usos muito mais interessante para essa sua boca.

Sorri e lambe os lábios. Meu pau grosso dá um salto, porque ele sabe o que virá a seguir. Ela agarra meu pênis firmemente, lentamente bombeamento e passa os lábios na ponta sugando a unidade que ele já tem.

Eu olho em seus olhos, olhos que um homem pode afundar, se não for cuidadoso, e digo: — Abra.
Não me importa se uma mulher está ansiosa, e eu tenho sido mais do que feliz em me deitar e deixar que uma menina jogue sua perversidade em mim. Mas aqui — agora — com Demi, sinto uma urgência para a sua apresentação. A emoção de estar acima dela, no comando. E eu quero tomar meu tempo, deixá-la sentir cada centímetro do que estou dando, ao invés de simplesmente permitir que tome.

Como diz o ditado, é melhor dado.

Seus lábios estão inchados, vermelhos com meus beijos ásperos. Se estendem quando ela abre amplamente, e guia meu pau neste paraíso quente e úmido. Empurro lentamente, respirando com dificuldade, até chegar ao fundo de sua garganta com um gemido. E eu afundo na sensação apertada de sua boca quente em volta de mim. Tão malditamente bom.

Baixo o olhar, vendo como deslizo para fora, seus lábios apertando, como se eles não quisessem sair. Então eu empurro de novo, um pouco mais forte, um pouco mais profundo. Eu seguro dentro, sentindo sua garganta apertar em torno de mim.

— Foda. — Gemo.

É uma deliciosa tortura, a agonia perfeita, quero que dure toda a noite.

Saio só para ter a oportunidade de entrar novamente.

Balançando a cabeça, eu digo: — Assim, baby. Mantenha a boca aberta, leve tudo... Merda...

Eu não posso ajudar a mim mesmo. Com os olhos fechados, começo a investir. Eu não quero terminar, ainda não, mas não quero parar. Apenas um pouco mais, um pouco mais.

Demi geme de excitação — amando tanto quanto eu — e vibração vai direto para minhas bolas, preparando-as para o êxtase que é tão porra perto de intenso. Mesmo no limite, eu seguro o cabelo dela e puxou-a para longe. Então eu a levanto e beijo aquela boca perfeita.

Agora, fazê-lo onde? No chão, no sofá ou contra a parede?

A cama não é uma opção, é longe demais.

Pego minhas calças, recuperando no bolso um preservativo, abrindo-o e rolando-o com uma prática nascida do desespero e habilidade. Olho atentamente, Demi tira sua saia e calcinha, sem se preocupar com a blusa pendurada, um pouco rasgada.

No chão então.

Puxando-a em meus braços, fodendo sua boca com a minha língua, me ajoelho, levando-a comigo, protegendo sua a cabeça da madeira com a palma da mão.

— Depressa Joseph. — Implora. Fodendo é a única vez em que escuto Demi rogar, e é impressionante-. — Preciso. Oh, Deus…

Levanta os quadris, esfregando contra o meu estômago, sua vagina ainda mais molhada agora. Ambos gememos quando eu empurro, esticando sua estreiteza impressionante, enterrando-o ao máximo.

Inferno, sim.

Sons ásperos e requintados vem de sua garganta quando eu invisto duro, tocando, levando-nos para o topo. Suas unhas cravam em minhas costas, me fazendo louco, e eu busco apoio. Me movo contra ela, circulando meus quadris quando estou mais profundo, nossas pélvis chocando-se.

— Você quer isso mais forte? — Pergunto, ofegante em seu ouvido.

Suas pernas apertaram em torno de mim, seus saltos cavando nas minhas costas.

— Dê-me sua boca. — Suplica.

Baixo meus lábios nos dela, mordendo e lambendo, fundindo-nos. Faíscas dançando ao longo da minha espinha e invisto mais rápido, dando-lhe tudo o que tenho, tudo o que eu sempre tenho.

Sinto seu estremecimento em torno de mim, pequenos espasmos agarrando meu pau, ganhando intensidade. — Assim baby, acabe comigo... bem assim...

Pontos de luz dançam através de meus olhos, e enterro o rosto em seu pescoço. Seus quadris sobem uma última vez e mantem assim, enquanto eu empurro para a frente e magníficas ondas de prazer invadem minhas veias. Além do sangue correndo através de minhas orelhas, eu a ouvi gemer o meu nome quando trememos juntos, ao mesmo tempo... compartilhando esse maldito espaço perfeito, onde tudo que existe sou eu, ela e o êxtase.

Sua respiração contra o meu ombro, como as asas de um pássaro batendo, é a única coisa que eu estou ciente. É preciso um pouco de esforço, mas me levanto e olho para os olhos brilhantes de Demi. Seu sorriso é o suficiente para quebrar meu coração.

Tiro o cabelo de seu rosto e dou um beijo suave nos seus lábios. Sem dizer uma palavra, escorrego fora dela e eu me levanto. A pego em meus braços e vamos para o quarto.

Já que a noite ainda não acabou... não por muito tempo.

Demi se deita de costas, rindo sem fôlego. Removo o segundo preservativo bem usado da noite e jogo no lixo ao lado da cama. Ficamos ao lado do outro em um silêncio confortável, até que um rosnado alto de seu estômago quebra o silêncio.

Ela tenta se esconder atrás de sua mão, mas eu gosto de ver o rubor de vergonha que se estende desde os seios para suas bochechas.

— Pulamos o jantar né? — Eu digo.

— A menos que você conte as frutas decorando as Tequilas.

Eu toco sua perna. — Vamos lá. Vamos ver o que temos para comer.

Caminho pelo corredor. Nu. Gosto de estar nu. É uma sensação boa, natural. Claro, eu vivo em uma rua movimentada da cidade e não têm cortinas, mas se as pessoas querem olhar para a minha janela, você pode muito bem dar-lhes algo para ver.

Demi me segue, meu cobertor enrolado em volta dos ombros, eu acho que em busca de calor. Deixou a modéstia para trás desde a primeira vez que ela montou no meu rosto.

Ela se senta à mesa da cozinha, enquanto eu pego uma tigela na geladeira e coloco no micro-ondas para aquecê-la. Coloquei dois pratos sobre a mesa, em seguida, dois copos de água fria. Sinto toda a atenção de Demi me seguindo quando eu passo, apreciando a vista.

Quando o microondas apita, retiro a tigela, e no processo queimo meus dedos.

— Merda! — Sacudo as mãos, então e chupo os dedos feridos.

— Cuidado. — Adverte em uma voz divertida. — Não queime qualquer uma das partes boas.

Eu uso uma toalha e levo a tigela fumegante à mesa. — Obrigado por sua preocupação.

Reparo duas porções de macarrão e queijo caseiro. Demi geme na primeira mordida, e meu pau e sem medo de uma lesão, se apresenta.

— Isto é tão bom, Joseph. Você faz isso?

— Não, eu não cozinho. Nem Jake normalmente, mas macarrão com queijo é a única comida que ele sabe. Não ficar uma semana sem. Conserva-a no congelador, o que é conveniente.

Permanece em silêncio por alguns minutos, com foco no alimento. Então Demi reflexiona: — Hoje foi um bom dia.

Vejo seu cabelo caído na pele bronzeada de sua clavícula, um suave brilho lânguido naqueles olhos cor de avelã. E é bom só estar aqui. Com ela.

— Claro que foi.

Depois de nossos pratos estão vazios, eu atrevo: — Posso te fazer uma pergunta?

— Claro.

Tiro o cobertor seu ombro, revelando a curva impressionante de seu seio direito, pesado em sua plenitude natural. Sua respiração fica congestionada quando eu passo meu dedo de lado, na sua caixa torácica sobre a cicatriz irregular que prejudica vinte centímetros da pele perfeita.

— Como isso aconteceu?

A primeira vez que notei, não me sentia muito bem em perguntar, não era para mim. Nossos primeiros encontros eram para remover a roupa do outro tão rapidamente quanto possível, ficar duro tanto tempo quanto possível e meter tantas vezes quanto possível; sem correr o risco de desidratação ou perda de consciência. Não nos deixava muito tempo para conversar.

Mas agora... ultimamente... eu me encontrei querendo saber mais como Demi gosta de ser sugada ou fodida. E mais do que as coisas que Brent e Jake sabiam.

Quero suas fantasias... alguns de seus segredos.

Nenhuma expressão de dor nubla seu rosto, não se mexe com a menção, e por isso eu sou eternamente grato.

— Acidente aéreo. — Diz naturalmente.

— Você está brincando.

— Certamente eu não estou brincando. — Imita com um sorriso. — Quando eu tinha oito anos, estávamos retornando de uma visita a família no Rio, e o trem de pouso não funcionou. Tivemos que pousar sobre a barriga do avião, com força. — Sua voz se torna leve, lembrando. — Foi barulhento, é o que mais me lembro. O som de metal contra metal, como um acidente de carro... mil vezes mais. O apoio de braço do meu assento cortou minha pele, quebrou duas costelas, mas não danificou nada importante. Tivemos sorte, relativamente, visto como são acidentes de avião. Não houve mortes; todo mundo se recuperou.

— Droga. — Murmuro, não tenho certeza do que eu esperava, mas com certeza não era isso.

Ela me dá um pequeno sorriso. — Meu segundo irmão mais velho, Lucas, o filósofo da família, pensa que era um sinal. Um lembrete de que a vida é curta. Preciosa. E que devemos ter grandes coisas para alcançar, porque todos poderiam ter morrido, mas nos salvamos. Por uma razão.

Cubro a marca com a mão, pensando na dor que ela deve ter sofrido, querendo absorvê-la de alguma forma. Mas, ao mesmo tempo, é uma parte dela, que fez Demi a mulher que ela é hoje. E não há nada que eu mudaria, porque ela é foda incrível.

Minha mão desliza para cima, admirando a suavidade quente de seu peito, sentindo a vibração de seu coração. O som de sua respiração — profunda e agitada — me estimula. Seu pulso bate mais rápido quando eu me curvo.

Sussurra meu nome, e eu acho que isso nunca soou tão doce.

Antes que eu possa pressionar os meus lábios no oco de sua garganta, o som das chaves na porta nos exalta. Nos endireitamos, como dois adolescentes na lanterna de um policial, e corremos para o meu quarto. Eu fecho a porta, os dois rindo.

Com um bocejo, deitei-me na cama, puxando as cobertas sobre mim. Demi observa-me por um momento, em seguida, tira o seu próprio cobertor e pega suas roupas.

— Eu deveria ir.

Assim é que funciona. Nós fodemos, nos vestimos e saímos: tenha uma boa noite, nos vemos no escritório.

Olho para o relógio que mostra 03:00 am. — É tarde. — Dou outro bocejo. E o golpe constante contra o painel de janela atrás mostra que está chovendo. — Por que você não fica?

Não estabelecemos regras, nada que nós concordamos em voz alta de qualquer maneira. 

Simplesmente nos movemos com o fluxo, o que funciona, é o que você se sentir bem. Se temos regras implícitas, há uma boa chance de que passar a noite quebre-as.

Mas eu não me importo nem um pouco.

Eu esfrego meu rosto contra o travesseiro e abro espaço na minha frente. Demi está ali — lindamente nua — segurando o sutiã em uma das mãos. Olhando para mim.

Debatendo-se.

Eu empurro as cobertas, expondo o espaço vazio na minha frente. — Faz frio aí fora, calor aqui. Não pense demais, Dem.

Não tem que significar qualquer coisa. E Demi é macia e delicada, e tê-la para me esfregar durante a noite com certeza trará alguns doces sonhos.

Deixa cair o sutiã e corre para o meu lado. Suas costas pressionam contra meu peito, embalando seu traseiro no meu pau, dando-me novas perspectivas sobre os benefícios do abraço.

Minha mão repousa sobre o quadril, a outra debaixo do travesseiro. Depois de se arrumar para se sentir confortável, Demi sussurra: — Você sabia que quando você está cansado, o seu sotaque é mais pronunciado?

Seu cabelo faz cócegas no meu nariz, fazendo-me cheirá-lo. — Realmente?

— Sim — diz suavemente. — Eu gosto.

Justo quando eu estou prestes a cair no sono, um tamborilar abafado enche a sala, como um baterista inoportuno.

Bang, bang, bang. É o som da cabeceira de madeira contra a parede. Acompanhado por uma voz feminina estridente. — Sim, sim, sim!

Eu ergo minha cabeça e grito para a parede. — Ei! Alguns de nós está tentando dormir aqui.

Jake, com uma voz indiferente, grita de volta. — Ei! Alguns de nós está tentando transar aqui.

O bater retorna, mas, felizmente, não o gemido de afirmação.

Demi solta risadinhas quando eu jogo as cobertas sobre a cabeça, abafando um pouco o som.

— Cristo! — Reclamo. — Seriamente eu tenho que conseguir meu próprio lugar.


24.4.17

Capitulo 4

Último da minha maratona de hoje. Meu pedido de desculpas por ser tão doida e esquecer de postar. É muita coisa na mente kkkk Espero que vocês gostem. Muito obrigada por terem paciência comigo. eu já vou dar um up na história de "a sexóloga" pra vocês matarem a saudade e a curiosidade. Beijão!!!

-------------------------------------------------

CAPITULO 4

Demi

Em um tribunal se sente uma energia pouco antes de ler o veredicto, uma crepitação de estática no ar. É uma tensão compartilhada que deixa você sem fôlego, o mesmo que os romanos devem ter sentido no Coliseu enquanto esperavam para ver o caminho que o César apontaria com o polegar. O aumento do pulso, sangue e adrenalina vibram e crescem. É emocionante.

Tão viciante como o sexo realmente fantástico. O tipo que te deixa marcada, dolorida e exausta e você não pode esperar para fazê-lo novamente.

Eu sempre soube que queria ser uma advogada. Quando criança, via séries como LA Law, onde os advogados tinham inteligência afiada, usavam ternos elegantes, penteados impecáveis e trabalhavam em escritórios arranha-céus de cromo e vidro.

A educação foi a mais alta prioridade para os meus pais, porque eles tinham acesso limitado a ela. Minha mãe deixou a pobreza de sua cidade natal, no Pará para chegar à opulência relativa do Rio de Janeiro, quando ela era uma criança. Mas o analfabetismo só escapou depois de conhecer meu pai, que lhe ensinou a ler quando tinha dezesseis anos.

Juntos, eles emigraram para os Estados Unidos e tornaram-se a própria definição do sonho americano: eles consolidaram um negócio próspero, elevando-se através das fileiras da classe média à riqueza. Plenamente conscientes das oportunidades que o trabalho oferecia aos seus filhos, nos incutiram, em cada um de nós (meus três irmãos mais velhos e eu), que a educação era a chave para abrir todas as portas. Era um tesouro que nunca poderia ser roubado, a rede de segurança mais duradoura. Não é por acaso que cada um de nós buscou campos profissionais: o meu irmão mais velho, Victor, tornou-se um médico; o próximo, Lucas, um contador público certificado, e Thomas, apenas um ano mais velho que eu, é um engenheiro.

— Senhora Encarregada, vocês chegaram a um veredicto?

O nosso cliente Pierce Montgomery não direcionou sua atenção para a mulher que está prestes a anunciar o veredicto de seu julgamento, mas descaradamente voltou-se para os meus seios. Fez-me sentir suja de uma forma desagradável.

Eu vou tomar um bom banho quente no futuro, para limpar-me da sordidez.

— Sim, Meritíssimo.

Ao entrar na defesa criminal sabia que havia uma chance de que eu tivesse que trabalhar com idiotas como Montgomery, mas isso não me impediu de fazê-lo. Eu era a mais jovem da minha família, e a única mulher, então eu estava muito protegida. Mas ao invés de me restringir, o instinto protetor levou meus pais a se certificarem de que era capaz e que estava preparada para o que a vida pode lançar.

— Opportunities. — Diria meu pai. — Devemos aproveitar com ambas as mãos, porque você nunca sabe se eles vão voltar.

Ele foi quem me ensinou a não ter medo.

Uma chance é tudo o que sempre quis para mim. Mais do que um marido ou filhos, ele queria que eu tivesse a oportunidade de ir a qualquer lugar. Fazer qualquer coisa.

Ser criada em Chicago me deu uma vantagem. É uma bela cidade, mas como toda a área urbana tem os seus perigos. Eu aprendi a mover-me rapidamente, mas sempre manter-me firme, estar em guarda e, geralmente, desconfiada com estranhos até que provem o contrário.

E com certeza, uma olhada desagradável de um filho de senador, como é Pierce Montgomery, não me intimida. Se tentasse me tocar mais do que os olhos, eu poderia colocá-lo de joelhos apenas com o movimento do pulso.

Simples assim.

— Qual é?

Aqui vamos nós. Momento da verdade.

Com o canto do meu olho, eu vejo os ombros largos de Joseph subirem ligeiramente como quando você inala ... e mantém sua respiração.

Como eu.

A responsável recita o número do processo e encargos, e, em seguida, pronuncia a palavra mágica: Inocente.

Inferno sim! Siim foda, yeah! Vamos começar as celebrações mentais!

Tal como acontece com os jogadores que executam um touchdown na NFL, celebração excessiva na sala do tribunal é desaprovada, de modo Joseph e eu só damo-nos brilhantes sorrisos de saudação. 

Mas nós dois sabemos que esta é enorme, uma vitória que é um passo para ter o tipo de notoriedade apreciado por Cochran, Allred, Geragos, Abramson e Dershowitz-a Liga "Toda a gente sabe o seu nome."

Montgomery agradece a Joseph com um aperto de mão, mas consegue fazer com que sua gratidão soe arrogante. Ele se vira para mim com os braços abertos, à espera de um abraço, é claro.

Porque eu tenho uma vagina.

E como muitos outros, acredita que do pênis aperta as mãos e abraça as vaginas.

Este não é o caso, amigo.

Dirijo um braço inflexível, marcando meu ponto e mantendo-o fora do meu espaço pessoal. Ele está de acordo com o aperto de mão, mas acrescenta uma piscadela lasciva.

E o chuveiro quente está se tornando mais atraente.

Quando saímos do tribunal, os repórteres estão esperando. Eles são meios de comunicação locais, não nacionais. Ainda não. Como eu disse, é o trampolim.

Joseph, o advogado principal, monopoliza as perguntas com uma mistura bem praticado de charme e egoísmo (advogados não são modestos).

Mas dá-me crédito, referindo-se a "nossa" defesa, mencionando como "nós" tínhamos certeza dos resultados desde o início, com destaque para a nossa empresa bem estabelecida, e garantindo que todos os clientes Adams & Williamson também recebem uma representação estelar.

Enquanto fala, eu tomo um momento para admirá-lo, porque ele é muito fácil de admirar. Seus olhos cor de jade brilham com o entusiasmo do sol da tarde, emoldurado por cílios grossos, surpreendentemente escuros, do tipo que as mulheres matariam para ter. Rebeldes fios dourados de seu cabelo (o tipo de cabelo que tem Robert Redford em Legal Eagles) caem em seu rosto inteligente.

Um nariz romano e maçãs do rosto salientes dão uma aparência nobre, forte, embora Joseph Shaw seja um homem de verdade, não um menino bonito. Eu acho que minha parte favorita é sua mandíbula. É digno de pornografia. Robusta e quadrado, com a quantidade perfeita de barba por fazer para evocar imagens de manhãs sensuais e camas quentes.

Tem um metro e oitenta, é cerca de dez centímetros mais alto que eu e suas longas pernas e peitos largos são o sonho de um alfaiate. É o tipo de corpo que foi feito para usar um terno. Sua voz é profunda, um barítono, melódica, com uma pequena dica de um sotaque sulista que durante o interrogatório pode cortar como um bisturi ou hipnotizar como contador de histórias. Mas o que atrai é o seu sorriso, que desarma. Seus lábios peritos fazem você querer rir quando ele faz isso e dão os pensamentos mais sujos quando eles escorregam em um sorriso torto preguiçoso.

Um sorriso que estou bem familiarizada.

— ... não é verdade, senhorita Ludwig? — Ele pergunta, e os olhares dos jornalistas caiem para mim, com expectativa.

Merda. Eu não tenho ideia o que está falando. Eu estava muito ocupada olhando para a linha de sua mandíbula, caramba, lembrando como a sua barba por fazer arranhou minha coxa, fazendo-me ronronar com satisfação de um gato arranhando apreciando seu poste favorito.

Mas eu posso me recuperar sem problemas. — Absolutamente. Eu não poderia concordar mais.

Os jornalistas agradecem-nos, e como nosso cliente entra em seu carro com motorista, Joseph e eu decidimos caminhar algumas quadras de volta para o escritório.

— Onde você estava lá? — Diz em um tom de diversão que me diz que ele já adivinhou.

— Vou dar detalhes mais tarde. — Eu digo, quando Joseph abre a porta do nosso prédio para mim.
Abrams & Williamson é um dos escritórios de advocacia mais antigos de DC. O prédio tem dez décadas, aderindo à altura dos edifícios da 1910 Act, que proíbe a construção de novas estruturas que eram mais elevados do que a cúpula do Capitólio, com exceção de algumas poucas exceções. Mas o que lhe falta em estatura sobra em grandeza histórica. As superfícies de mogno polido refletem as luzes brilhantes, concebidas para realçar as molduras artesanais que decoram as paredes. Uma lareira de mármore restaurada acolhe os visitantes que andam a enorme mesa noz da recepção com luz permanente.

Vivian, a recepcionista tem seus cinquenta anos, mas parece impecável no terno branco e um coque louro, proporcionando uma primeira impressão perfeita de elegância e experiência para todos os que entram.

Ela sorri calorosamente. — Parabéns a ambos. Sr. Adams gostaria de vê-los em seu escritório.

As notícias correm rápido na DC, fazendo com que a propagação da fofoca secundária seja tão lento como as chamadas pela Internet. Portanto, não é surpreendente que a notícia da nossa vitória já veio para a mesa do nosso chefe. No entanto, vitória impressionante ou não, Jonas Adams, sócio fundador da nossa empresa e descendente direto de nosso segundo presidente, nunca sai de sua posição privilegiada no piso superior para oferecer parabéns.

Ele nos chama para que subamos.

Durante a viagem de elevador, o mesmo entusiasmo borbulhando dentro de mim vem do meu colega de crime. Nós somos imediatamente escoltados para o escritório de Jonas, que está em sua posição atrás de sua mesa, escorregando rapidamente pastas em uma pasta de couro desgastada. Sua semelhança com seu ancestral fundador é nada menos que incrível: um abdômen protuberante complementado com um relógio antigo com corrente de ouro do bolso, vidros redondos equilibram-se em um nariz pontudo, e tufos de cabelo branco penteado em uma tentativa de cobrir a sua cabeça calva, que é tão brilhante como o piso de madeira em que estamos.

Se ele se aposenta, as empresas de recriação histórica se rasgarão em pedaços para tê-lo.

Jonas tem ensinado nas melhores instituições legais e é considerado uma das mentes mais brilhantes em nosso campo. Mas, como muitos intelectuais talentosos, exibe um temperamento agitado, que faz com que você ache que está sempre perdendo as chaves do carro.

— Entrem, entrem. — Chama enquanto acaricia seus bolsos, aliviado por encontrar os elementos que estava obviamente esperando que eles ainda estivessem lá. — Estou indo em um momento para uma conferência no Havaí, mas eu queria felicitá-lo para o caso Montgomery.

Move-se atrás de sua mesa e fecha as mãos. — Excelente trabalho, não foi uma vitória fácil. Mas o senador Montgomery está grato.

— Obrigado, Sr. — Joseph responde.

— Quantas para você, Sr. Shaw? Oito vitórias consecutivas?

Joseph dá de ombros, sem modéstia. — Nove, na verdade.

Jonas balança a cabeça enquanto limpa o óculos com um tecido. — Impressionante.

— É tudo pelo júri, Sr. Adams. — Diz Joseph. — Eu nunca encontrei um que não gostasse de mim.

— Sim, muito bom, muito bom. E você, Senhorita Ludwig? Ainda invicta, hein?

Com um sorriso, eu levanto meu queixo orgulhosamente. — Sim, senhor, seis de seis.

As mulheres profissionais têm percorrido um longo caminho, nossos pés estão agora firmemente na porta dos clubes anteriormente dominados por homens em campos políticos, legais e de negócios. 

Mas ainda temos um longo caminho a percorrer. O fato é que na maioria das vezes, quando se trata de promoções e oportunidades de carreira são a última opção, não a primeira consideração. A fim de alcançar a vanguarda em relação aos nossos chefes, não é o suficiente para ser tão bom quanto os nossos colegas do sexo masculino, temos que ser ainda melhor. Devemos nos destacar.

É uma verdade injusta, mas uma verdade, no entanto.

Quando o motorista de Jonas entra no escritório para levar a sua bagagem, virando um saco de golfe de uma marca de luxo, cujo conteúdo é mais valioso do que o Porsche de Joseph, comento: — Eu não sabia que era um golfista, Sr. Adams.

Isso não é verdade, claro que eu sabia.

— Sim, eu sou um ávido jogador. É relaxante, você sabe, ajuda com stress. Estou ansioso para jogar algumas rodadas durante a conferência. Você joga?

Eu sorrio como o gato de Alice. — Honestamente, eu faço. Eu disparei um setenta e sete em East Potomac.

Seus olhos se arregalaram. — Isso é notável. — Ele balança a dedo. — Quando voltar do Havaí, você será minha convidada no meu clube, Trump National, por algumas rodadas.

— Isso seria ótimo. Obrigada.

A papada de Jonas se agita enquanto ele concorda. — Minha secretária entrará em contato com o seu assistente para adicioná-lo ao seu calendário. — Então, ele volta sua atenção para Joseph. — Você joga, Shaw?

Porque eu o conheço, sei que hesita por um nano segundo. Mas então seu rosto se abre em um largo sorriso. — Claro. O golfe é minha vida.

Jonas aplaude. — Excelente. Então você se juntará a nós nesse dia.

Joseph engole. — Genial.

Após Jonas sair, Joseph e eu voltamos para o elevador para ir para os nossos escritórios no quarto andar.

"O golfe é minha vida?" — Cito, enquanto observa os números iluminando indo para baixo.

Seus olhos se tornam engraçados para mim. — O que diabos eu deveria dizer?

— Ah, você poderia ter dito o que você me disse há três meses: "O golfe não é um esporte real."

— Não é. — Ele insiste. — Se você não suar, não é um esporte.

Ao que respondo: — O curso requer uma quantidade enorme de habilidade...

— O mesmo acontece com o ping-pong. E isso não é um esporte porra.

Ponto de vista masculino teimoso e estúpido. Tendo crescido com irmãos, eu estou familiarizada com eles. No entanto, ainda me diverte, que sejam tão absurdos.

— Então o que você vai fazer? Jonas retorna do Hawaii em duas semanas.

— É muito tempo para me mostrar como jogar. — Ele responde, gentilmente me cutucando.

— Eu? — Gaguejo.

— É claro, senhorita setenta e sete em East Potomac. Quem melhor?

Eu balanço minha cabeça. Veja como ele funciona Joseph. Como a minha sobrinha, que usa lábio trêmulo contra o meu irmão mais velho, Joseph usa seu charme covarde.

É impossível resistir, especialmente quando você realmente não quer.

— Duas semanas não é muito tempo.

Ele põe a mão no meu ombro, esfregando o polegar contra a pele nua na parte de trás do meu pescoço. A ação gerou um rastro de fogo pelas minhas costas, fazendo de cada músculo abaixo da minha cintura se apertar.

— Vamos começar este fim de semana. Tenho plena confiança em você, Dem. Além disso ... — Pisca um olho, — eu aprendo rápido.

Quando as portas do elevador se abrem, remove a mão para o lado, e por um momento, eu choro pela perda. — Esse será o momento perfeito para que pague nossa aposta. Seu carro me deve uma viagem.
— Eu não acho que devem responder por apostas feitas sob coação.

Meus saltos ressoam no chão de madeira enquanto me viro: — Sob pressão de quem?

Joseph para a poucos passos das portas dos nossos escritórios. Abaixa a sua voz e se inclina para sussurrar no meu ouvido: — Subestima o poder de seus milagrosos seios. Eles estavam na minha cara, era impossível pensar com clareza.

Cruzo os braços, cética. — Milagrosos?

Levanta as mãos, com as palmas abertas. — Eu quero me levantar e gritar amém... ou cair de joelhos e fazer outras coisas.

Uma pequena risada me escapa. — Se todos os peitos tão facilmente te distraem, você tem problemas maiores do que eu dirigindo o seu bebê.

Joseph olha para mim por um momento, os olhos quentes. Quase ilegais.

— Nem todos os seios, Dem. Apenas o seu.

Eu ouvi a expressão "meu coração afundou", mas não sabia que poderia realmente acontecer. Até este momento.

Ainda assim, eu fingi indiferença. — Boa tentativa. Desculpe-se. Eu não estou dando lições de golfe a conquistadores.

— Você não pode culpar um cara por tentar.

Brent deixa o nosso escritório, em direção a Joseph. Ele para quando nos vê e levanta o braço em saudação. — Ah, o retorno dos vencedores. As duas pessoas que eu queria ver.

Seguimos para o escritório de Joseph, que partilha com Jake Becker, e estava em sua cadeira, folheando um arquivo aberto no colo. Dando um breve olhar em nossa direção, ele diz a Jake: — Eu ouvi que parabéns estão na ordem do dia. Os meus parabéns por provar que a justiça é tão muda quanto cega.

Joseph e Jake se conhecem desde a faculdade de direito, quando Joseph estava na extrema necessidade de um companheiro de quarto para dividir o aluguel e Jake na extrema necessidade de dormir em algum lugar diferente do sofá na sala de estar de sua mãe. Jake Becker não se parece com um advogado. Faz-me lembrar de um boxeador peso-pesado ou um filme de gangster muscular em preto e branco. Cabelo preto, olhos que lembram a cor do aço frio, lábios carnudos, que raramente sorriem e pronuncia as palavras mais amargas. Seu corpo é grande e perigosamente poderoso, suas mãos escondem completamente as minhas quando a segura. Mãos como tijolos que fariam implorar por misericórdia o seu adversário em uma briga boba.

Apesar de sua aparência intimidadora, Jake é o perfeito cavalheiro. Tem senso de humor e é fortemente protetor daqueles que considerava amigos. Sinto-me feliz de dizer que eu sou um deles. Eu nunca o vi perder a cabeça ou levantar a voz, mas eu suspeito que o seu é o tipo de raiva que golpeia com vingança mortal, sem qualquer aviso.

Joseph coloca sua pasta sobre a mesa e se senta.

— Não fique muito confortável. — Adverte Brent. — Não vamos ficar muito tempo. É sexta-feira, e sua vitória nos dá a desculpa perfeita para sair mais cedo.

Eu não conheci Brent quando eu era jovem, mas tem todos os ingredientes de palhaço da turma... ou uma criança na necessidade desesperada de ansiolíticos. Sempre otimista, fazendo piadas e uma fonte inesgotável de energia. Raramente fica quieto, mesmo se está lendo, seus pés estão equilibrados ou balançando na borda de sua mesa, um arquivo em uma mão e um reforço dos braços do outro.

Ah, e ele nem bebe café. Algumas segundas de manhã eu quero estrangular Brent.

— Eu tenho que terminar o registro de Rivello. — Explico, mas o seu movimento da cabeça me interrompeu.

— Pode terminar isso amanhã, senhorita. Você é a nova favorita de Adams, não é necessário provar nada para o resto de nós. Além disso, temos motivos para comemorar, e eu tenho uma regra de não deixar passar despercebido. Hora da happy hour.

Eu olho para o meu relógio. — São três da tarde.

— O que significa que são cinco horas em algum lugar. — Ele aponta o dedo para a porta. — Vamos rapazes, encontrar o seu parceiro. O primeiro será pago por Jake.

Jake já está de pé, arrumando sua pasta com o trabalho para levar para casa. Vira o dedo no ar e afirma categoricamente: — Claro. Água para todos.

Com um sorriso, Joseph coloca o braço em volta dos meus ombros.

— Vamos, Dem. Há uma Tequila Sunrise com o seu nome nele. Nós ganhamos.

Eu tenho uma relação duradoura de amor/ódio com Tequila Sunrise... Eu amo o happy hour e eu odeio-o na manhã seguinte.


Com um suspiro, eu me rendo. — Tudo bem, foda-se.